Avaliação de seminaristas e licenciados(as) ao ministério pastoral

by

O Conselho se reuniu, extraordinariamente no último dia 05, com duas tarefas básicas (eleição da diretoria executiva para os anos 2018-9 e avaliação do relatório pastoral), questões administrativas rotineiras e uma nova discussão: como ser responsável no preparo dos irmãos e irmãs chamados ao ministério pastoral e como cumprir o mandato apostólico de não impor as mãos precipitadamente sobre alguém?

A graça do Deus conosco nos presenteou com diversos irmãos e irmãs que estudam teologia e dentre estes, três aspiram ao ministério pastoral; e há um irmão licenciado pelo presbitério, que desejamos ver ordenado dia 17 de fevereiro de 2018. Contudo, nosso desejo e o sonho do nosso próximo, por mais nobre que seja, não são suficientes para fortalecer a certeza de que a decisão tomada está correta. O Conselho entendeu que são necessários critérios claros para dar embasamento às duas atitudes possíveis: encaminhar ou não encaminhar para a ordenação pastoral.

A percepção destas questões levaram à decisão de estabelecer os critérios abaixo, que devem ser entendidos como um crescimento progressivo, do início do seminário a sua conclusão:

Competência: trabalho em grupo
liderança
ser liderado
capacidade de ouvir
resolução de problemas
resposta às tarefas

Competência: exposição bíblica
coerência
articulação
conhecimento bíblico
conhecimento teológico
cultura geral
relevância dos temas
uso da língua pátria

Competência: desempenho seminário
andamento do curso
relatórios prestados
trabalho de conclusão de curso

Competência: trabalho pastoral
capacidade de ouvir
resolução de problemas e conflitos
desempenho no aconselhamento
vida devocional particular
formação pessoal
cuidado consigo

Competência: conhecimento eclesiológico
O Conselho reconhece que é uma experiência nova, e que os critérios adotados sofrerão
modificação com o tempo. E a opinião de todos é importante, não só na crítica a estes pontos
objetivos de avaliação, como no uso deles, por cada um, na avaliação de todo(a)s seminaristas.
E, por que não, de todos o(a)s presbítero(a)s, diáconos e diaconisas.


Presbítero Eduardo R. Mundim
Moderador do Conselho de Presbíteros

share

Recommended Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *